A morte do Buda, um novo discípulo ~


Nobres Discípulos, originally uploaded by Deh!.


Mantra da Nobre Mãe Tara Verde

“Então, descobri essa profunda verdade. Tão difícil de se perceber, difícil de se compreender, tranqüilizante e sublime. A qual não é para ser ganho por mero intelecto e é visível apenas ao sábio.” Buda ~

É tão difícil falar de algo tão simples! Mas vou me aventurar em falar da simplicidade do sorriso de um Buda.



Buda não era um Deus, nem se proclamou filho do mesmo ou enviado por ele. Buda era um ser humano comum, como eu e você… A não ser pelo fato de ter nascido em um reino e ser justamente o filho do Rei!

Sidhartta, o Buda, era um belo príncipe na antiga Índia há 2500 anos atrás. Cercado de todo o luxo que um reino próspero podia oferecer. Ele tinha a tão sonhada vida dos “Deuses”. Todos os dias participava de festas; dezenas de cortesãs o esperavam em seu quarto; comia e bebia os melhores pratos da culinária Indiana. Estudou as ciências da época com os melhores mestres e se tornou um grande guerreiro, aos 20 anos.

Sidharta, possuia tudo! Imagine você! Com toda a riqueza, beleza e saúde de Sidharta, o que você faria… hein?

O carro do ano? Sim, você poderia comprar.
Uma Canon EOS 40D? sim! *_*
Viajar o mundo? Porque não? A grana é tua!

Meditação Budista analisada cientificamente,
National Geographic Channel.

Na verdade, era o que Sidharta possuía… Além de toda a fama e poder. Afinal era um príncipe, tinha poder politico e poderia influenciar até na religião local… se quisesse.

Definitivamente,

Sidharta não era um Santo;
Era um ser humano, com defeitos e virtudes, como eu e você.

“Conta-se” que certa vez, Sidharta caminhava por seu Castelo de Primavera e parou para observar uma flor, que diferentemente das outras, estava murcha. Pela primeira vez na vida, Sidharta via algo que não era belo. Afinal, todas as flores de seu palácio, bem com as mulheres, eram lindas, cheirosas e cheias de vida.

Logo em seguida, um vulto passa por Sidharta que o assusta! Era um rapaz impregnado de sangue que escorria de uma ferida em seu corpo. O garoto gemia de dor e lágrimas escorriam de seus olhos. O que fez Sidharta estremecer. Mas, ao ver aquela cena, algo se esquenta no centro do peito de Sidharta que, por impulso, o faz perder o medo e se aproximar daquele homem e pergunta-lo:

– O que você tem?
Estou doente, tenho câncer… – Respondeu o garoto
– O que isso significa?
– Em breve, a minha vida se extinguirá…
– O que eu posso fazer por você?
– Nada, nem os médicos puderam me salvar, eu irei morrer.

Meu Altar Budista
Meu altar budista

“POR FAVOR, O QUE EU POSSO FAZER POR VOCÊ!!!
Gritando, Sidharta acorda do pesadelo.

Ele olha para o lado, e vê sua linda esposa dormindo. Mira mais ao fundo e contempla o berço de seu filho. E pensa consigo mesmo: “Vou perder vocês, mas porque se eu os amo tanto? E nada vou poder fazer quando estiverem a beira da morte.” (Sidartha já era um homem casado nessa época, e mantinha firme seus votos de esposo).

Naquela mesma noite, Sidharta toca os lábios na testa de sua esposa. Se dirige até o berço de Rahula, mas não consegue olhar nos olhos do filho, dá as costas e chora pela primeira vez.

Novamente, aquela sensação quente invade o peito de Sidharta, e ele ganha a coragem para fugir de seu palácio, do seu mundo encantado. Abandona a esposa, o filho, o pai, o palácio, as festas as riquezas e toda sua vida fácil.

Para quê? Para dar de cara com aquilo que ele sempre vinha ignorando: a verdadeira realidade das coisas. O sofrimento.

http://dehcorrea.blogspot.com/
Tara Vermelha, a forma feminina do Buda.

O sofrimento impregnado em cada movimento da vida. Ao andar, Sidharta pisava em formigas. Ao olhar para o lado, um gavião atacava um pequeno pássaro. Mais a frente, um velho passava fome e mais adiante um corpo humano podre era comido por abutres. Sidharta observa que seu próprio corpo fora construído para adoecer e apodrecer até a morte. Aquele corpo que fora veiculo de todos os prazeres na juventude, na velhice seria fonte de toda a dor!

A sensação quente no peito é ofuscada pela mente turbulenta que começa a perturbar Sidharta. Aquela dezenas de “Porquês” tomam conta de sua mente e, como se fossem ladrões, roubam a serenidade do príncipe.

Soninha e Lama Tsering
Soninha e Lama Tsering – Hospital dos Olhos em Nova Lima

Inconformado com sua sina, que seria a mesma de sua esposa e de seu filho, Sidharta tenta buscar um meio de se livrar da morte e dos sofrimentos da vida. Mais do que qualquer coisa, ele não queria ver as pessoas que mais amava sofrendo.

Não foi um ato irresponsável ou desesperado abandonar o castelo, e sim um puro ato de amor e compaixão por aqueles que ele mais amava. Sidharta abria mão de tudo para poder achar o caminho que poderia aniquilar o sofrimento da vida das pessoas que ele mais amava. Sem que elas precisassem fazer o mesmo.

Sidharta senta-se embaixo de uma Arvore, cruza as pernas na posição de lótus perfeita, coloca a palmas das mãos juntas sobre seu colo, fecha ligeiramente os olhos e jura só se levantar quando descobrisse a resposta sobre o sofrimento.

Quarenta e nove dias e quarenta e nove noites se passam, na manha seguinte a brisa toca o rosto do principe juntamente com os primeiros raios do sol. Um sorriso brota no rosto daquele que acabará de se tornar um Buda.

O Buda se levanta e se banha no rio Ganges que corria logo em frente de onde meditara incessantemente. O Corpo parecia fraco, mas sua mente parecia um oceano calmo. Uma garota que passava por perto, viu o jovem e lhe ofereceu um prato de comida.

Ao olhar nos olhos do Buda, a garota chora e pergunta:
– Quem é você? Você é Deus?

O Buda, com aquele mesmo sorriso que tinha ao levantar de sua meditação, responde com uma serenidade que aquece e alimenta o coração da mocinha:
Eu sou o Amor, eu sou a Compaixão.
– Até ontem a noite eu era um ser humano comum, mas hoje a minha mente encontrou aquilo que todos nós procuramos e meu coração se tornou livre. Eu despertei do sono da ignorância.

Budismo, A Ciência da Mente. Parte I
National Geographic Channel

Budismo, A Ciência da Mente. Parte II
National Geographic Channel

http://dehcorrea.blogspot.com/
Lama Tsering e Igor, Templo Budista em Casa Branca / MG

0 Responses to “A morte do Buda, um novo discípulo ~”



  1. Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s





%d bloggers like this: